todos somos iguais

como é o dia-a-dia de uma professora de aluno com necessidade especial

   

 

Realizamos uma entrevista com a professora Fabiana de Oliveira Marquioli, funcionaria de uma escola particular em SBC,irá relatar um caso em especifico de um aluno da terceiro ano.Segue as questões abordadas e as respostas referentes ao trabalho da professora realizado no seu cotidiano.

Como funciona a relação família escola?

Ocorre uma parceria pois quando solicitada,em prontidão comparece e ambas as partes buscar por meio de conversas e trabalho e profissionais para o desenvolvimento do aluno.

A escola possui diagnostico do aluno ?

No caso em especifico deste aluno faz um tratamento psicológico que a escola encaminhou para neuro e psiquiatra.

Como é o aluno em sala de aula?

Apresenta característica de uma criança com dislexia ,pois tem dificuldade na coordenação motor, não consegue realizar registro por completo ,apresentando as tarefas incompletas.Ha dias que apresenta agitação,movimentando-se de um lado para o outro,batendo as vezes no próprio rosto e pulando na ponta dos pés.Já em outros momentos,realiza as tarefas por completo.A sua oralidade é perfeita demonstrando conhecimentos profundos para uma criança de 8 anos

Como é o relacionamento do aluno com os outros alunos?

Um pouco conturbado,pois o aluno fala sem parar ,nos momentos em que está mais agitado,movimenta-se muito,parando em frente a lousa atrapalhando os outro copiarem da lousa,mas também causa admiração nos colegas ao responder e acrescentar informações que estão alem do conhecimento de crianças desse faixa etária.

Cite algumas intervenções que realiza com o aluno para contribuir com o desenvolvimento do mesmo?

Acredito que a afetividade é parte do processo de aprendizagem,sendo assim, converso olhando nos olhos,quando esta nervoso,agitado ate mesmo chorando,chego próximo a ele e o abraço  e percebo que ele se acalma.A sua carteira é próxima a minha mesa,pois sempre estou olhando e incentivando para que ele faça os desafios propostos e a avaliação é realizada por forma escrita e oral.

 

 

 

 


  • Heloisa Cunha de 8 anos, é estudante da Escola Municipal” Júlio de Gramon”.
    A Geovana de 10 anos, da 4° série, conheci ela na saída da escola, Geovana ficou sozinha na carteira. Peguei e levei ela com a cadeira embora. Brincamos de mini – coleções de bonecas, trocar de roupinhas e desfiles. Ela quieta, boazinha as crianças gostam, dela ajudam ..só ficou um pouco na escola ,no Hospital doente morreu.

  • Renata Cereja, 8 anos. O Kaique tem minha idade, ele é muito legal e inteligente a gente sempre tá junto, depois da escola, brincamos de bola leve gosto de ajudar meu amigo. Defendo ele na sala de aula, tem dois meninos que são malvados.

  • Anônimo: Ele é um menino inteligente, carinhoso as pessoas podiam ajudar quando ele pronuncia uma palavra errada e não ri, mas ensinar a falar direito .O que mais gosto é que o Guilherme desenha bem, ele é criativo.

Existem os cegos por deficiência , os cegos pela ignorância e os cegos porque preferem permanecer assim. Das 3 situações a ultima é a pior!